Preservação

A Mata Atlântica no Parque do Zizo encontra-se em avançado estado de conservação. Aqui não há espécies introduzidas nem animais domésticos ou outro impacto humano. É a floresta em seu mais puro estado de conservação.

Acesso

O acesso ao Parque do Zizo é fácil e qualquer carro chega até nosso estacionamento, a 700mts da pousada.
Veja como chegar.

Parque do Zizo no Facebook

Que época é a melhor?
A floresta é dinâmica e muda durante o ano, oferecendo atrativos em cada época do ano.
Na primavera é quando as aves estão em plena época de reprodução e cantando bastante, ocupadas em formar casais ou contruir o ninho, no entanto há relativamente poucos bandos mistos. No verão é quando vemos mais filhotes e muitas aves migratórias também, que chegam por aqui essa época. Outono e inverno é quando faz mais frio e, por essa razão, os bichos ficam mais ativos nas horas quentes do dia, com muitos bandos mistos, por outro lado eles estão cantando menos.

Como é o clima?
Como estamos no alto da Serra de Paranapiacaba e no meio da floresta, a umidade é sempre muito alta. Nevoeiros são super comuns e podem aparecer a qualquer horário do dia. Chuvas fortes são mais comuns no verão, mas mesmo na estação mais seca (inverno) garoas podem acontecer a qualquer momento. Mas isso não é necessariamente ruim. Os bichos da floresta estão acostumados a tempo nublado ou mesmo garoando e ficam muito mais ativos do que em um dia ensolarado.

No inverno a temperatura pode cair bastante, principalmente a noite, chegando em casos extremos a 6º ou até menos. Já no verão pode ficar bem quente no meio-dia, embora as noites e manhãs sejam sempre agradáveis.

Comidas e bebidas
A comida no Parque do Zizo é preparada em nosso fogão a lenha, sempre muito caseira e servida quentinha. As sobremesas são compostas de doces caseiros com queijo e frutas. Caso tenha alguma restrição alimentar favor nos informar antes para que possamos adaptar o cardápio, vegetarianos são bem vindos. Todas as bebidas já estão inclusas no valor da diária e incluem sucos, café e chá. Toda a água consumida é água mineral engarrafada.

Eletricidade
Não há eletricidade no Parque. Isso garante o menor impacto possível na fauna que nos cerca. No entanto todos os quartos possuem luz de LED e é possível recarregar equipamentos eletrônicos em um inversor que deixamos disponível. O inversor fornece energia 127V e tomadas normais (além de uma saída USB). As áreas de uso comum são iluminadas com lampiões e luzes de LED, mesmo assim é interessante trazer uma lanterninha de bolso.

Banho
Apesar de não haver energia, o nosso chuveiro é, modéstia a parte, fantástico. Cada quarto possui banheiro e chuveiro com água bem quente e muito farta. E o melhor, você pode ficar o tempo que quiser no banho sem dor na consciência!

Vestuário
Para fazer as trilhas recomendamos o uso de tênis ou bota apropriada para caminhadas pesadas, e de preferência à prova-d’água. Calças confortáveis e camisas em tons escuros ou camufladas são melhores. No inverno é importante trazer roupas de frio intenso e em qualquer época do ano uma capa de chuva.

Acesso
Até hoje existe um certo mito de que é muito difícil chegar aqui, que precisa de 4×4 e etc. Não é nada disso. A estrada foi arrumada já há alguns anos atrás. De São Miguel Arcanjo até o parque são 27 km em uma estradinha vicinal, sendo 10 km em asfalto novo e o restante em terra em boas condições. Passa qualquer carro. Apenas os últimos 700mts antes de chegar no parque é que realmente precisa de 4×4, pois é muito íngreme e também é uma forma de mantermos o local mais tranquilo e protegido possível. Os carros que não são 4×4 ficam portanto num local próprio e seguro. O restante do trajeto é feito num 4×4 da pousada.

Entre em contato caso deseje transporte a partir de São Paulo ou outras cidades da região.
Ou então clique aqui pra ver como chegar.

Insetos
Nos meses mais frios quase não há pernilongos. Nos meses quentes é bom sempre usar repelente e camisas de manga longa quando entrar na floresta.

Viagem guiada
Um guia naturalista, em especial um guia ornitólogo, aumenta muito o aproveitamente da viagem pois ele conhece bem todas as trilhas do parque além dos territórios de aves raras ou difíceis de se observar. Sem dúvida com a ajuda de um guia o número de aves observadas aumenta muito. Entre em contato com Octavio Campos Salles para saber mais sobre viagens guiadas ao Parque do Zizo.

Sugestões de leitura

A Field Guide to the Birds of Brazil – Ber van Perlo
Ótimo guia de campo com todas as aves do Brasil. O livro é novo, de 2010 e está, portanto, bem atualizado. É um livro indispensável para observadores de aves. Possui boas ilustrações de todas as espécies, mapas de ocorrência, texto com dicas de habitat, identificação, etc.
Field Guide to the Songbirds of South America – Robert S. Ridgely e Guy Tudor
É um livro mais grosso e portanto não serve exatamente como guia de campo, mas sim uma ótima fonte de consulta pra deixar no hotel. Possui ilustrações fantásticas de quase todos os passeriformes da América do Sul. A seção de textos das espécies também é bastante detalhada. Livro novo, bem atualizado.
Birds of South America: Non-Passerines: Rheas to Woodpeckers – Francisco Erize et al.
Esse guia de campo cobre todos os não-passeriformes da América do Sul. Possui ótimas ilustrações e bons textos com dicas. Já é, no entanto, um pouco desatualizado taxonomicamente, embora ainda muito útil.
Neotropical Rainforest Mammals: A Field Guide – Louise Emmons e FranCois Feer
Guia de campo sobre os mamíferos neotropicais de floresta. As ilustrações são boas para fins de identificação e os textos fornecem muitos detalhes. Há alguns errinhos no livro que devem ser corrigidos em uma revisão futura. Continua sendo um bom guia de campo para mamíferos.
Tropical Nature: Life and Death in the Rainforests of Central and South America – Adrian Forsyth e Ken Miyata
Livro com textos sobre o funcionamento e curiosidades da floresta tropical. Não trata de um assunto específico mas sim de vários, como plantas epífitas, anfíbios, dispersão de sementes, frugivoria, etc. É uma ótima leitura antes de visitar uma floresta tropical.