Preservação

A Mata Atlântica no Parque do Zizo encontra-se em avançado estado de conservação. Aqui não há espécies introduzidas nem animais domésticos ou outro impacto humano. É a floresta em seu mais puro estado de conservação.

Acesso

O acesso ao Parque do Zizo é fácil e qualquer carro chega até nosso estacionamento, a 700mts da pousada.
Veja como chegar.

Parque do Zizo no Facebook

O Parque do Zizo possui muitas trilhas que passam por diversos ambientes diferentes, possibilitando o contato com variados ecossistemas e espécies, com grandes possibilidades de avistamento de aves raras, mamíferos, anfíbios, etc.

Legenda:
trilha fácil, passa na maior parte por terreno plano, não exigindo preparo físico.
trilha moderada, com alguns trechos mais íngremes, já exige um certo preparo físico.
trilha difícil, com trechos bem íngremes ou longos, exige bom preparo físico.

 

Trilha do Ouro Fino
Nível de dificuldade:
Comprimento: aprox. 2,5 km
Essa trilha começa na sede, em área de mata secundária com forte presença de bambu e espécies endêmicas desse ambiente. Logo ela chega em área de floresta ombrófila primária, com sub-bosque aberto e lindíssimas árvores grandes. A partir daí ela desce até o Rio Ouro Fino, com suas águas rápidas e límpidas. Mais uma curta caminhada e chega-se à belíssima Cachoeira do Ouro Fino, cercada de mata primária. Nesse trecho da trilha costumamos ver o raro mono-carvoeiro. A trilha segue ao lado do rio e depois entra em uma linda floresta com diversas nascentes antes de chegar na sede novamente. É uma das nossas trilhas de maior beleza cênica.

——————————————————————————————————————————-
Trilha do Passarinheiro
Nível de dificuldade:
Comprimento: aprox. 2 km
Possui esse nome pela qualidade das aves geralmente observadas. Ela começa na Trilha Mestre, no alto da primeira subida. Continua subindo passando por um extenso bambuzal, talvez o melhor local da reserva pra obsevação de espécies endêmicas desse ambiente. Nessa trilha já registramos também sinais de onça-pintada. Ao chegar no ponto mais alto da trilha é possível notar um ambiente diferente do resto, com árvores mais baixas e grande quantidade de bromélias terrestres. Bandos grandes de jacutinga já foram vistos aqui. Na descida a trilha entra em mata ombrófila primária, terminando em um ponto na Trilha do Ouro Fino.

——————————————————————————————————————————-
Trilha do Pau Oco
Nível de dificuldade:
Comprimento: aprox. 2,5km
Começa no sede, em uma área lindíssima de floresta com enorme quantidade de epífitas e nascentes de água calma e fundo de areia/cascalho. Após isso ela sobe a montanha passando na maior parte por floresta primária e árvores altas, embora algumas áreas sejam dominadas por bambu também. Chegando no alto do morro ela segue descendo pelo outro lado, por floresta muito preservada. Nesta trilha também já registramos onça-pintada. Há também grande quantidade de antas. Ao chegar lá embaixo ela encontra o Rio Quebra-Cabeça, de águas calmas. Nesse ponto deve-se entrar na água (até o joelho no máximo) e seguir pelo leito do rio até o Córrego Comprido, que leva até a trilha novamente e de volta pra pousada. É uma trilha de grande beleza, embora exija um pouco mais de disposição por ter uma parte “aquática”.

——————————————————————————————————————————-
Trilha do Pau Vermelho
Nível de dificuldade:
Comprimento: aprox. 3,5 km
Nessa trilha podemos encontrar uma grande quantidade de pau-mulato, árvore com casca muito vermelha. Começa na trilha do Passarinheiro e passa por cenários lindíssimos, descendo uma encosta de floresta primária até chegar no Rio Ouro Fino, onde segue paralela ao rio de enorme beleza, cheio de corredeiras, ilhas pitorescas, árvores gigantes, etc. A trilha acaba na parte de baixo da trilha do ouro fino, pouco antes da cachoeira de mesmo nome.

——————————————————————————————————————————-
Trilha do Jatobá
Nível de dificuldade:
Comprimento:
Começa no alto da Trilha do Quebra-Cabeça e passa por um enorme jatobá, datado pessoalmente pelo famoso botânico Harri Lorenzi como tendo mais de 500 anos. A trilha segue subindo o morro até chegar na divisa do parque.

——————————————————————————————————————————-
Trilha Mestre
Nível de dificuldade:
Comprimento: aprox. 4,5 km
Essa trilha é na verdade a continuação da estrada de entrada ao parque, portanto é uma trilha larga. Começa na sede e possui algumas subidas longas. Em alguns pontos é possível ter uma boa visão da copa das árvores ao lado da trilha. No final dela há o mirante da Fita Branca, com uma vista fantástica onde é possível ver parte da imensidão da maior área restante de Mata Atlântica. É também um bom ponto para avistar gaviões.

——————————————————————————————————————————-
Caminho de entrada
Nível de dificuldade:
Comprimento: 1,8 km
Não é exatamente uma trilha, mas sim a continuação da estrada, já em nossa propriedade. Passa por diversos ambientes, mais abertos na parte alta, onde pode-se observar espécies diferentes. Depois há um trecho íngreme que passa por floresta fechada. Nesse trecho também é possível visitar o mirante do gavião, onde se vê floresta preservada até onde a vista alcança. Já na parte baixa, próximo à pousada, o terreno é nivelado e de fácil caminhada, excelente para observação de aves.

——————————————————————————————————————————-
Trilha da Fita Branca
Nível de dificuldade:
Comprimento: aprox. 1 km
Essa trilha começa no mirante da Fita Branca, ao final da Trilha Mestre. É uma trilha íngreme mas que leva a uma das maiores cachoeiras da região, a Cachoeira da Fita Branca. Nesse ponto costumamos ver grupos de mono-carvoeiro e também muitos andorinhões, que nidificam atrás da cachoeira.

 

Existem ainda outras trilhas menores espalhadas pelo parque que conectam algumas trilhas às outras. Novas trilhas estão sendo construídas.